Taj_Mahal_capa

Roteiro de 16 dias pela Índia

A viagem à Índia é sempre uma caixinha de surpresas, não só pelas diferenças religiosas e culturais, mas também por conta da nossa organização para embarcar.

Ao contrário das viagens que costumo fazer e até pela segurança, fechamos um pacote turístico com uma agência chamada SetTravel no Brasil, representada pela Special Tours na Índia. Muitos viajantes se arriscam montando o roteiro por conta própria, mas se você quiser ir para lá – e especialmente se for mulher – eu recomendo fechar com alguma agência.

Veja o roteiro que fizemos entitulado de Grande Índia, que contempla 16 noites por este país e inclui as cidades: Bombay (Mumbai), Jaisalmer, Jodhpur, Udaipur, Jaipur, Agra, Khajuraho, Varanasi e Nova Delhi.

Melhor Câmbio Dólar

1º e 2º dias: Bombay (Mumbai)

Foram 3 noites na maior e mais importante cidade da Índia.

Como ficamos apenas um dia inteiro, fizemos uma espécie de city tour para conhecer os principais pontos turísticos.

A visita inclui a zona colonial, os edíficios antigos, a Porta da Índia e a maior concentração de lavandeiros do mundo: Dhobu Ghat. Também passamos por Malabar Hill para ver os “Jardins Pendurados”, por Marine Drive e outros pontos turísticos da cidade.

Porta da Índia em Mumbai

Porta da Índia em Mumbai

Dhobu Ghat e o contraste com a cidade

Dhobu Ghat e o contraste com a cidade

Casa em formato de sapato gigante nos Jardins Pendurados de Mumbai

Casa em formato de sapato gigante nos Jardins Pendurados de Mumbai

Radha Gopinath Mandir, templo Hare Krishna em Mumbai

Radha Gopinath Mandir, templo Hare Krishna em Mumbai

Visita ao mercado municipal da cidade

Visita ao mercado municipal da cidade

Marine Drive

Marine Drive

Hospedagem em Mumbai: Fariyas Hotel Mumbai

3º dia: Bombay, Jodhpur e Jaisalmer

Pegamos um voo de Bombay para Jodhpur que fica no estado do Rajastão, noroeste do país.

Após o voo, iniciamos um longo trajeto de carro e paramos em Pokharan para visita no Forte (é possível almoçar por lá, apesar de ser meio caro e não valer o preço rs).

Pela estrada para Jaisalmer atravessamos o deserto do Thar. O colorido das casas e o pôr do sol faz com que este seja considerado um dos lugares mágicos da Índia.

jodhpur_aeroporto

Entrada do Forte Pokharan

Entrada do Forte Pokharan

Interior do Forte

Interior do Forte

Hospedagem em Jaisalmer: The Desert Palace

4º dia: Jaisalmer

Jaisalmer é conhecida como a “Cidade Dourada“. Por lá é possível conhecer o Palácio Maharaja Mahal com sete templos Jainistas e dois hindus, já na fronteira com o Paquistão.

No verão a cidade é desumanamente quente. Poucas pessoas visitam a cidade e seguem o roteiro tradicional, mas foi um lugar que nos surpreendeu.

Chegada Palácio Maharaja Mahal: você pode subir de tuk tuk

Chegada Palácio Maharaja Mahal: você pode subir de tuk tuk

Palacio_Maharaja_Mahal

A cidade vista de cima, já na fronteira com o Paquistão

A cidade vista de cima, já na fronteira com o Paquistão

Haveli é uma tradicional casa de cidade ou mansão na Índia, no Paquistão, no Nepal e em Bangladesh, geralmente, com importância histórica e arquitetônica.

Haveli é uma tradicional casa de cidade ou mansão na Índia, no Paquistão, no Nepal e em Bangladesh, geralmente, com importância histórica e arquitetônica

Muitas vacas pelo caminho: é bom andar atento

Muitas vacas pelo caminho: é bom andar atento

O guia conhecia um lugar de massagem sensacional na cidade, mas era em uma casa e não tinha nome. Pergunte ao seu guia quando estiver por lá: foi a melhor massagem que fizemos na Índia!

À noite aproveitamos o deserto em um passeio de camelo.

passeio_de_camelo

 

5º dia: Jaisalmer e Jodhpur

No caminho de volta à Jodhpur, conhecemos a Cidade Azul, paramos em Jaswant Thada e seguimos para o Forte Meherangarh.

Jaswant_Thada

Erguido em memória do maharajá Jaswan Singh II, o mausoléu Jaswant Thada foi a grata surpresa da viagem pela sua beleza

Entrada do mausoléu

Entrada do mausoléu

Forte Meherangarh

Forte Meherangarh

Pátio interno do Forte

Pátio interno do Forte

Hospedagem em Jodhpur: Sarovar Park Plaza

6º dia: Jodhpur, Ranakpur e Udaipur

Seguimos viagem pela estrada para Ranakpur, complexo de templos jainistas. Visitamos o Templo de Adinath considerado o maior e mais belo da Índia, construído em mármore branco.

Entrada Templo Adinath: de fato o mais bonito da Índia e poucas pessoas conhecem pela localização

Entrada Templo Adinath: de fato o mais bonito da Índia e poucas pessoas conhecem pela localização

A visita é feita com áudio guia e silêncio total. Não é permitido entrar mostrando canela ou ombro. Para tirar fotos, você precisa pagar uma taxa também

A visita é feita com áudio guia e silêncio total. Não é permitido entrar mostrando canela ou ombro. Para tirar fotos, você precisa pagar uma taxa também

meditacao_India

Continuamos de carro para Udaipur, capital do antigo Reino de Mewar, que com seus lagos artificiais e os canais que os conectam, se mostra como um oásis dentro do deserto.

Cenas comuns no trânsito da Índia

Cenas comuns no trânsito da Índia

Hospedagem em Udaipur: Mewargarh Udaipur

7º dia: Udaipur

Visitamos o Palácio dos Marajás às margens do Lago Pichola. Dentro do palácio – agora convertido em Museu da cidade – há um labirinto de pátios, terraços, galerias e jardins (muito grande mesmo).

Ekliingji_Nagda_Pichola

Primeira visita é acessada apenas pelo rio de barco

Pátio de Palácio

Pátio de Palácio

Todos os salões são cheios de detalhes: do chão ao teto

Todos os salões são cheios de detalhes: do chão ao teto

Caminhamos até o Templo Jagdish, construído por Jagat Sinh I em 1651 e exemplo da arquitetura indo-ariana.

Entrada do templo

Entrada do templo

A beleza presente nos detalhes

A beleza presente nos detalhes

Em seguida, fomos ao Jardim das Damas de Honra (Sehellon KiBari), um jardim ornamental localizado no segundo grande lago de Udaipur, Fateh Sagar, construído para uma princesa e usado como um lugar de descanso e passeio.

Sehellon_KiBari

8º dia: Udaipur e Jaipur

Saímos pela estrada para o norte de Udaipur para visitar Ekliingji e Nagda, complexo composto por um templo dedicado a Shiva e 108 santuários.

Ekliingji_Nagda

Detalhes do templo

Detalhes do templo

Muitos turistas pulam o roteiro acima para ir direto à Jaipur, capital do estado de Rajastão que foi construída no século XVIII pelo marajá Jai Singh II. O comércio, as indústrias de tecidos e a joalheria fazem Jaipur ser bem movimentada.

Cidade_Rosa_Jaipur

Jaipur também é chamada de “Cidade Rosa” pela cor das suas casas. Por lá conhecemos ao templo Birla Mandir e assistimos à cerimônia Aarti (em sânscrito, dissipador da escuridão). Após a cerimônia, um jantar típico e um show de danças nos aguardavam no Palácio Narain Niwas.

Templo Birla Mandir: fotos são proibidas na parte interna

Templo Birla Mandir: fotos são proibidas na parte interna

Jantar com danças e comidas típicas no Palácio Narain Niwas

Jantar com danças e comidas típicas no Palácio Narain Niwas

Hospedagem em Jaipur: Park Regis Jaipur


Seguros Promo

9º dia: Jaipur

Em Jaipur visitamos também o Forte Amber onde é possível andar de elefante (o passeio não é recomendado pelas agências pelos maus tratos, então subimos de jeep).

Turistas andando de elefante do Forte Amber

Turistas andando de elefante do Forte Amber

O Forte é bem grande e cheio de detalhes

O Forte é bem grande e cheio de detalhes. Recomendo a visita.

Visão da cidade dentro do Forte

Visão da cidade dentro do Forte

A tarde visitamos o Hawa Mahal – ou Palácio dos Ventos – que segundo o guia não era possível conhecer o interior (acho que dá sim, só deve ter sido um erro no roteiro).

Hawa Mahal

Hawa Mahal

10º dia: Jaipur e Agra

Saindo de Jaipur à Agra, visitamos Abhaneri e seus monumentos medievais dos rajputs como o Chand Baori e o Templo de Harshat Mata dedicado ao deus Vishnú.

O local já serviu de cenário para vários filmes hollywoodianos: até do Batman!

O local já serviu de cenário para vários filmes hollywoodianos: até do Batman!

Panch Mahal foi nossa próxima parada localizado em Fatehpur Sikri, uma cidade indiana com aproximadamente 500 anos que foi abandonada catorze anos depois da sua construção por falta de água.

Panch Mahal

Panch Mahal

No mesmo dia, visitamos o monumento arquitetônico mais famoso do mundo: o Taj Mahal, construído pelo imperador muçulmano Shah Jahan em honra de sua esposa favorita – Arjumand Bano Begum – mais conhecida como Mumtaz Mahal.

Obrigatório para brasileiros: gravar um vídeo com a música do Jorge Ben Jor (os indianos já conhecem até o refrão rs)

Obrigatório para brasileiros: gravar um vídeo com a música do Jorge Ben Jor (os indianos já conhecem até o refrão rs)

Hospedagem em Agra: Crystal Sarovar Premiere

11º dia: Agra

Ainda em Agra, conhecemos o Forte Vermelho, construído em pedra de arenito vermelha pelo imperador mongol Akbar e também o Mausoléu de Itimad-Ud-Daulah, conhecido como “o pequeno Taj”.

Entrada do Forte de Agra

Entrada do Forte de Agra

O pequeno Taj

O pequeno Taj

Antes de deixar Agra, visitamos os jardins Mhtab Bagh, para ver o entardecer do Taj Mahal do outro lado do rio Yamuna.

Vista do Taj Mahal dos Mhtab Bagh: o lado em que se vê pobreza ao redor do mausoléu

Vista do Taj Mahal dos Mhtab Bagh: o lado em que se vê pobreza ao redor do mausoléu

12º dia: Agra, Jhansi e Khajuraho

Fomos de trem à Jhansi e de lá seguimos de carro para a cidade de Orchha para visitar templos como o Raj Mandir e o Jahangir Mahal.

Raj_Mandir_patio

Pátio do Raj Mandir

 

Raj_Mandir

Continuamos de carro para Khajuraho no estado de Madhya Pradesh, que foi capital religiosa na dinastia dos Chandela.

Em Khajuraho encontramos a flor de lótus: um tipo de lírio d'água que nasce em meio a lama e ao lodo

Em Khajuraho encontramos a flor de lótus: um tipo de lírio d’água que nasce em meio a lama e ao lodo

Hospedagem em Khajuraho: Golden Tulip Kassel Hotel Reiss

13º dia: Khajuraho

Khajuraho é também extremamente quente no verão e possui um conjunto dos maiores templos hinduístas do país, famosos por suas esculturas eróticas que são Patrimônio da Humanidade pela UNESCO.

Essa visita eu pulei porque o calor me deu enxaqueca, mas basicamente os templos que se destacam no complexo são os de Lakshmana, Kandariya Mahadeva e Devi Jagadambi, todos eles construídos nos séculos X e XI durante o auge da dinastia Chandela. Na parte oriental dos templos de Khajuraho, há também aqueles de inspiração jaimista: o Templo de Parsvanath e o pequeno Templo de Adinath.

Complexo de templos de Khajuraho: a Ju, minha companheira de aventuras, fez o tour do dia

Complexo de templos de Khajuraho: a Ju, minha companheira de aventuras, fez o tour do dia

A dinastia Hindu Rajput dos Chandelas, era seguidora do culto tântrico. Os elementos do templo são ligados ao nudismo ou o sexo

A dinastia Hindu Rajput dos Chandelas, era seguidora do culto tântrico. Os elementos do templo são ligados ao nudismo ou ao sexo

Detalhes das imagens em um dos templos

Detalhes das imagens em um dos templos

Eu descartaria a visita à cidade e achei muita coisa passar duas noites por lá, mas se já estiver no seu roteiro recomendo incluir uma massagem ayurvédica na programação.

14º dia: Khajuraho e Varanasi

Varanasi é parada obrigatória por conta do rio Ganges.

No final da tarde é possível fazer o passeio de barco acompanhando a cerimônia Aarti, que acontece nos ghats (escadas paralelas ao rio Ganges e pelas quais descem os peregrinos para purificarem-se).

Varanasi_Ganges

Chegada dos peregrinos ao Ganges

A chegada ao rio é bem caótica em meio aos peregrinos que caminharam cerca de 35km até lá (muitas vezes descalços). A cerimônia em si é bonita e o passeio faz todo sentido para quem quer conhecer mais sobre a cultura e a fé dos indianos.

As preces antes da cerimônia

As preces antes da cerimônia

Os turistas geralmente acompanham a cerimônia de dentro do barco

Os turistas geralmente acompanham a cerimônia de dentro do barco

Ganges_India

Os barcos se aglomeram para assistir a cerimônia

Hospedagem em Varanasi: Madin

15º dia: Varanasi e Nova Delhi

Antes do amanhecer, voltamos ao Ganges para ver o banhos dos peregrinos no rio e os rituais de purificação.

cerimonia_Ganges_peregrinos

banho_peregrinos_Ganges

No caminho para o aeroporto, ainda conhecemos Sarnath, uma das quatro cidades santas do budismo e o lugar onde Buda predicou o budismo por primeira vez. Embarcamos então para a última cidade: Nova Delhi.

Sarnath (ou Saranate) no estado de Uttar Pradesh

Sarnath (ou Saranate) no estado de Uttar Pradesh

Foi em Sarnath que o budismo começou

Foi em Sarnath que o budismo começou

16º dia: Nova Delhi

Em Delhi, capital da Índia, a nossa paciência para tours já tinha se esgotado rs.

Por ser uma cidade bem grande (e com muito, muito trânsito) recomendo que passem mais dias por lá para aproveitar outras coisas além dos pontos turísticos. Visitamos o Dhobi Ghat, lugar onde vivem e trabalham a comunidade dos tradicionais lavadeiros de roupa (menor do que a de Mumbai), Qutab Minar (ou Torre da Vitória), o Túmulo de Humayun e passamos de carro pela Porta da Índia, onde percorremos a área dos edifícios governamentais que inclui o Palácio Presidencial e o Parlamento.

Qutab Minar

Qutab Minar

Túmulo Humayun

Túmulo Humayun

Também visitamos o Templo Sikh mas faltou o templo hindu Birla, inaugurado por Mahatma Gandhi. Gandhi Smriti (também conhecida como Birla House) está localizada em Delhi e é a casa onde Mahatma Gandhi viveu os últimos 144 dias de sua vida.

Templo Sikh é bem grande e não permite fotos na parte interna. Mulheres e homens devem entrar descalços, com cabeça e ombros cobertos

Templo Sikh é bem grande e não permite fotos na parte interna. Mulheres e homens devem entrar descalços, com cabeça e ombros cobertos

Pátio do Gandhi Smriti

Pátio do Gandhi Smriti

 

Hospedagem em Nova Delhi: Hilton Garden Inn New Delhi

Para não prolongar este post, em breve vou escrever os meus comentários sobre a agência, o roteiro e outras dicas. Alguns posts você já encontra linkados no texto.

Não detalhei nesse roteiro apenas paradas em lojas que já estavam na programação da agência. Uma porque os valores eram altos, outra por não ser o intuito do post.



Booking.com

Veja também os mitos e verdades sobre a Índia.

Patricia Furlan

Publicitária, psicanalista e apaixonada por viagens.

Comentários

Comentários

Posts Relacionados

Leave a Comment

Sobre a autora

Olá! Meu nome é Patrícia Furlan e sou paulistana, publicitária, psicanalista e apaixonada por viagens! Aqui você encontra minhas dicas de roteiros, cultura, gastronomia e experiências de turismo.

Reserve seu hotel

Booking.com

Melhor cotação de câmbio

Faça a sua reserva no AirBnb

Desconto AirBnb 250x250

Seguro Viagem na Ásia