Campo de Concentração, Memorial e Museu Sachsenhausen em Berlim

Campo de Concentração, Memorial e Museu Sachsenhausen em Berlim

Sachsenhausen foi um dos principais campos de concentração nazista na Alemanha e ficou ativo de 1936 a 1945. Nesse período, cerca de 200 mil pessoas passaram por lá, entre opositores políticos, judeus, homossexuais e prisioneiros de guerra, que eram submetidos à trabalhos forçados e situações precárias.

Panorâmica do Campo de Concentração. Na foto aparece o Sachsenhausen National Memorial: obelisco inaugurado em 1961

Durante a visita, você vai se surpreender com a história do lugar e com o “clima” por lá que é bem pesado. Ao andar pelo campo, você vai aprender mais sobre a história desse período e visitar o museu que mostra com detalhes desde cartas escritas pelos líderes e prisioneiros, propagandas da época e até mesmo o acampamento dos prisioneiros e salas de execução.

Entrada do Sachsenhausen
Caminho que os prisioneiros percorriam em direção à Torre A
História através de manuscritos, propagandas e roupas da época, marcam presença no Museu

Achei que fosse passeio obrigatório para a maioria das pessoas que visitam Berlim, mas descobri após conversar com alguns amigos, que muitos optam por não visitá-lo com receio do que vão ver ou sentir por lá. Por outro lado, todos me perguntam com muita curiosidade. Eu sinceramente acho que o campo tem um clima tão pesado quanto o Museu da Anne Frank em Amsterdã, porém o espaço físico é muito maior, localizado em uma região mais afastada do centro de Berlim. Um lugar ao meu ver muito frio e cinza, onde é difícil sorrir até para a foto. Por outro lado, recomendo a visita para que você conheça de perto esse período da história. Como o tour dura bastante tempo, sugiro também que você saia de lá e vá fazer alguma coisa que “quebre” esse clima ruim e pesado. 

 
Ao chegarmos lá, optamos por utilizar o audio guide em inglês, mas recomendo o passeio com um guia mesmo, porque o campo não está pontuado com o número do audio guide, você tem que acompanhar pelo mapa que também é confuso. O tour guiado você pode fazer em alemão, inglês ou espanhol.
 
Fomos em janeiro e pegamos um frio por lá de -6 graus e eu me senti indo para a própria guerra por conta da minha gripe que dificultou minha respiração, pela garoa e pelo espaço ser todo aberto. Portanto, se você estiver na Europa no inverno, aconselho que escolha o dia mais quente (leia “menos frio possível” rs), para essa visita.
No portão principal, a frase “Arbeit macht frei“, que significa “O trabalho liberta”
Pathology Building está localizada a sala onde os prisioneiros mortos passavam pela autópsia. Durante a Segunda Guerra Mundial, o número de mortos aumentou tanto que foi construído um segundo prédio como esse.
Um dos locais mais frios e sombrios do Campo, onde aconteciam as mortes por fuzilamento.
Fotos dos prisioneiros no Campo, nota-se que eram bem jovens.
Alojamento dos prisioneiros. É possível visitar as salas internas também.
Sonderlager, a parte especial do Campo, onde ficavam os prisioneiros de guerra ou prisioneiros importantes
Frase de um ex-prisioneiro
Station Z: local em homenagem as vítimas do Campo de Concentração. Os corpos eram cremados nesse lugar. O nome é também proposital: os prisioneiros entravam pela Torre A e saíam pela estação Z… sem vida.
Torre E: exibição de vídeos de como era a relação do campo de concentração com a cidade de Oranienburg

O memorial também é um pouco afastado no centro da cidade, mas bem fácil de chegar. A entrada é gratuita, você só paga pelo audio guide ou pelo tour guiado. Veja as informações abaixo:

Contato:
besucherdienst@gedenkstaette-sachsenhausen.de

Horário de Funcionamento:
15-Março até 14-Outubro: aberto diariamente das 08h30 às 18h
15-Outubro até 14-Março: aberto diariamente das 08h30 às 16h30


Como chegar

  • Pegar o S-Bahn 1 até Oranienburg (cuidado para não confundir com a estação de metrô Oranienburg). De lá você pode pegar o ônibus 804 (em direção a “Malz”) até a parada “Gedenkstätte” ou o ônibus 821 (em direção a “Tiergarten”) até a parada “Gedenkstätte”. 
  • Se não quiser pegar o ônibus, também é possível chegar a pé, seguindo as placas em direção ao memorial. A caminhada leva cerca de 20 minutos.
Endereço:
Straße der Nationen 22
D-16515 Oranienburg

 



Autora:

Patricia Furlan

Publicitária, psicanalista e apaixonada por viagens.

Comentários

Comentários

Posts Relacionados

No Comments

  • celabastos junho 30, 2014 04.09 pm

    Tive essa mesma sensação na Casa de Anne Frank e no Museu do Holocausto, em Washington. Um nó na garganta que me impedia de sorrir. Imagine num lugar como este onde todas essas atrocidades aconteceram…

    Reply 

Leave a Comment

Sobre a autora

Olá! Meu nome é Patrícia Furlan e sou paulistana, publicitária, psicanalista e apaixonada por viagens! Aqui você encontra minhas dicas de roteiros, cultura, gastronomia e experiências de turismo.

Booking.com
Reserva Agora 300x250